Painéis do romance ‘A Preta Gertrudes’ estão expostos no hall de entrada da Esma

As telas já foram exibidas na Biblioteca e no Museu do TJPB, no Fórum Cível da Capital e no Centro de Estudos Jurídicos e Sociais 'José Fernandes de Andrade'

 

A Escola Superior da Magistratura (Esma) está expondo no hall de entrada da instituição painéis sobre o romance histórico-jurídico ‘A Preta Gertrudes’. A exposição é aberta a toda comunidade e pode ser visitada durante o horário de expediente, que ocorre das 7h às 22h, de segunda a sexta-feira. Os painéis já foram exibidos na Biblioteca e no Museu do Tribunal de Justiça da Paraíba, no Fórum Cível da Capital e no Centro de Estudos Jurídicos e Sociais 'José Fernandes de Andrade'.

 

Durante a exposição, o público vai ter a oportunidade de conhecer em oito painéis, montados em quatro stands, detalhes do processo da Negra Gertrudes, com texto e imagens que serão expostos através de painéis, inclusive com ilustrações do artista plástico Flávio Tavares.

 

A obra, do diretor da Esma, desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque, relata o caso emblemático da ‘Preta Gertrudes’, escrava paraibana que recorreu à Justiça para não ser vendida em praça pública, como pagamento de uma dívida, e, para que isso não acontecesse travou uma guerra judicial pela própria liberdade.

 

Gertrudes Maria teve que se opor a um embargo de penhora contra seu senhor, iniciado em 1828, que colocou em risco a sua liberdade parcial. Seu grande feito foi o de não ter se posicionado de forma passiva e de ter procurado de imediato o auxílio de advogados em sua defesa. Naquela época, não era comum às mulheres ou aos homens escravizados contratarem advogados ou serem representados por eles.

 

Ela chegou a ser presa. Para conseguir a liberdade de volta, solicitou um novo responsável, o tenente Modesto Honorato Victor. Quatro meses depois, em abril de 1841, o mesmo credor entrou com uma ‘Ação em Juízo’ na tentativa de vender Gertrudes e os filhos dela em praça pública para receber a dívida, sendo estas as últimas informações registradas sobre o caso.

 

Por Marcus Vinícius