5.567 processos sobre promoção e progressão funcional de servidores tramitaram na Gefas

Os números são referentes ao período de 2017 a 2019

 

Responsável por realizar e processar as avaliações de desempenho dos servidores do Poder Judiciário estadual, a Gerência de Formação e Aperfeiçoamento de Servidores (Gefas), vinculada a Escola Superior da Magistratura (Esma), tramitou 5.567 processos no período de 2017 a 2019. Esse levantamento divulgado, na manhã desta sexta-feira (21), são relativos a promoção, progressão e anotação em ficha funcional do servidor.

 

Conforme os números, nos dois primeiros anos foram tramitados 1.312 e 1.853 feitos, respectivamente, e, apenas, em 2019, 2.492 processos, o que corresponde a quase 50% dos procedimentos em um único exercício. O mês com maior movimentação foi agosto do ano passado, com 463 pedidos.

 

De acordo com a supervisora, Virgínia Scarano, após processo ser encaminhado da Gerência de Controle e Acompanhamento (GEACO) para a Gefas, a Gerência faz uma análise do formulário de avaliação de desempenho funcional do servidor. “Após esse exame do desempenho do servidor, nos casos de progressão, o setor despacha e encaminha à Diretoria de Gestão de Pessoas. Já no caso de promoção, são analisados os cursos que o servidor realizou durante aquele biênio”, disse Scarano.

 

Entretanto, a supervisora destaca que, para o servidor ter direito à movimentação na carreira por meio de promoção, é necessário que os interessados participe de cursos promovidos pela Esma, pelo Tribunal de Justiça da Paraíba ou instituição credenciadas pelos mesmos. Ela ressaltou, ainda, que, em 2019, quase 3.500 servidores participaram de 41 formações promovidas pela Escola, nas modalidades presencial e de ensino a distância (EaD).

 

Do número total, 3.197 participaram das aulas em EaD e, aproximadamente, 320 servidores no ensino presencial, nas unidades de João Pessoa e Campina Grande.

 

Para o diretor da Esma, desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque, a Escola vem buscando a melhoria na formação e na qualificação constante dos servidores do TJPB e das unidades judiciárias de 1ª, 2ª e 3ª entrâncias. “Essas capacitações têm uma importância muito grande, porque muitos pensavam que a Esma era uma escola destinada somente à magistratura. Mas, não. A Esma é destinada, também, para preparar os servidores do Judiciário estadual para um melhor atendimento aos jurisdicionados”, disse o desembargador Marcos.

 

Lei – Criada pela Lei Estadual nº 10.913/2017, na estrutura da instituição de ensino, incumbe, ainda, a Gefas administrar programas de capacitação e desenvolvimento de pessoas, e elaborar, monitorar e avaliar resultados; fomentar a participação em eventos que facilitem o desenvolvimento de competências funcionais requeridas para o desempenho profissional; prestar consultoria interna em gestão de pessoas, inclusive aplicar programas de desenvolvimento de equipes que facilitem a adaptação a mudanças, à redução de conflitos e à integração; e planejar, propor e coordenar treinamentos específicos.

 

Por Marcus Vinícius/Gecom-TJPB