Esma promove palestra sobre o tema ‘Pandemia, uma realidade não esperada!’

Pandemia, uma realidade não esperada!’ foi o tema de uma palestra promovida pela Escola Superior da Magistratura na manhã desta sexta-feira (7). O evento tratou de aprendizagem, resiliência e esperança diante da maior crise sanitária vivenciada pelo mundo contemporâneo. O diretor da Esma, desembargador Ricardo Vital de Almeida, fez a abertura do evento, que foi transmitida pelo canal da Escola no YouTube e pela plataforma Zoom Meeting. 

O tema foi ministrado pela professoras/doutoras Mônica Palitot e Josevânia Silva. No primeiro momento, a doutora Mônica Palitot abordará a temática “Aprendizagens em tempo de pandemia: entre a esperança e o esperançar”. Em seguida, a professora Josevânia Silva palestrará sob o tema “Compreender a marcha e ir tocando em frente: uma conversa sobre resiliência e esperança”.

Na abertura, o desembargador Ricardo Vital ressaltou que o momento pandêmico, que já adentra por mais de um ano e sem perspectivas concretas de término, vem criando dificuldades à população. “É preciso a elevação permanente do espírito na convicção de que são provas, aprendizados e experiências de que ao final venceremos”, afirmou o diretor da Esma.

Dando continuidade ao evento, o gerente Acadêmico e de Formação e Aperfeiçoamento de Servidores da Esma, professor Germano Ramalho, fez a apresentação das palestrantes. “São duas colegas do mundo da docência, com toda uma experiência e aprofundamento nesta área, e que vem nos brindar como suporte de tipos de enfrentamento frente à essa experiência adversa”, disse o professor Germano.

Na primeira temática, a professora Mônica Palitot trouxe uma reflexão sobre aprendizagem no contexto geral, principalmente neste momento de pandemia. Para a docente, aprendizagem é um processo de mudança de comportamento construído através das experiências que tem por base fatores emocionais, neurológicos, relacionais e sociais ou ambientais. “O que estamos aprendendo e estamos dispostos a aprender diante desta nova realidade, seja no âmbito familiar, no trabalho, entre outros?”, ressaltou Mônica.

Ainda segundo a palestrante, essa pandemia está trazendo um grande impacto na saúde mental da população, principalmente com o aumento nos casos de depressão e ansiedade. “Sabermos lidar com todas essas questões que surgem neste momento de pandemia é de extrema importância para o nosso equilíbrio emocional e nossa saúde mental”, observou Mônica Palitot.

Ao abordar o tema “Compreender a marcha e ir tocando em frente: uma conversa sobre resiliência e esperança”, a professora Josevânia Silva ressaltou que à pandemia da Covid-19 modificou e afetou as vidas em diversas dimensões. Ela destacou os impactos no contexto de trabalho, na dinâmica familiar, nas condições de vida das pessoas, na saúde mental, bem como as perdas imateriais.

“Diante de imensos desafios, tentamos seguir vivendo de algum modo. É nesse momento que faz diferença a resiliência, essa capacidade que todos nós temos para enfrentar os desafios e dores da vida, possibilitando nos reinventarmos.”, disse a professora Josevânia.

Ela afirmou, ainda, que o que está sendo vivido há mais de um ano tem sido extremamente difícil para a humanidade. “Uma geração inteira está sendo marcada pela pandemia. Além dos impactos que já falei, outras consequências e demandas virão com o passar dos anos”, destacou a palestrante, acrescentando que segundo estudos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro houve um aumento em mais de 90% nos sintomas de depressão.

Para a palestrante, as sociedades e instituições também precisarão ser resilientes, e a via mais segura e possível será a da solidariedade, das parcerias, a corresponsabilidade, do compromisso social e coletivo. 

“Institucionalmente, considero que falar sobre essa temática demostra o compromisso com a construção de um cenário de pós-pandemia com mais esperança e responsabilidade social. Ainda estamos passando e vivendo dias muito difíceis. Ter a oportunidade de conversar sobre essas questões de forma transparente e humanizada ajuda no processo de enfrentamento e colabora a saúde mental todos. Além disso, essas ações mostram o cuidado com a vida de todos os que fazem parte da Esma”, ressaltou Josevânia.

O diretor adjunto da Esma, juiz Antônio Silveira Neto, participou também da palestra, além de servidores e magistrados do Poder Judiciário estadual.

Por Marcus Vinícius/Gecom/TJPB